Antigo Testamento
Novo Testamento
Bíblia em Português (CAP)
← 19

Juízes 20

21 →
1

Todos os filhos de Israel se movimentaram, pois, como um só homem; reuniram-se à volta do Senhor, em Mispá, desde Dan a Bercheba, e bem assim a terra de Guilead.

2

Todos os chefes do povo de todas as tribos de Israel se apresentaram perante a assembleia do povo de Deus, em número de quatrocentos mil homens, soldados de infantaria, peritos em manejar a espada.

3

Os filhos de Benjamim ouviram dizer que os filhos de Israel tinham subido a Mispá. Disseram, então, os filhos de Israel: «Contai-nos de que modo aconteceu este crime.»

4

O levita, marido da mulher assassinada, respondendo, disse: «Eu tinha chegado com a minha concubina a Guibeá de Benjamim, para aí passarmos a noite.

5

Amotinaram-se contra mim os senhores de Guibeá e, durante a noite, cercaram a casa em que eu estava e queriam matar-me; abusaram da minha concubina e ela morreu.

6

Tomei-a e cortei-a em pedaços, enviando-a a toda a terra da herança de Israel, porque eles tinham perpetrado um crime vergonhoso, uma infâmia em Israel.

7

Vós todos, filhos de Israel, dai um parecer e tomai uma decisão entre vós, aqui e agora!»

8

Todo o povo, como um só homem, se levantou dizendo: «Nenhum de nós voltará à sua tenda, nenhum de nós regressará a sua casa.

9

Eis o que agora vamos fazer a Guibeá: subiremos contra ela, por tiragem à sorte.

10

Em todas as tribos de Israel tomaremos dez homens em cada cem, cem em cada mil e mil em cada dez mil, para irem procurar mantimentos para o povo, para aqueles que irão tratar Guibeá de Benjamim segundo a infâmia que cometeu contra Israel.»

11

E todos os homens de Israel, como um só homem, se juntaram e foram unidos contra a cidade.

12

As tribos de Israel enviaram mensageiros a toda a tribo de Benjamim a dizer: «Que crime é este que se cometeu no meio de vós?

13

Agora entregai-nos esses homens malvados que estão em Guibeá e nós os mataremos e arrancaremos o mal de Israel.» Os filhos de Benjamim, porém, não quiseram dar ouvidos à voz de seus irmãos, os filhos de Israel.

14

Juntaram-se os filhos de Benjamim, vindos das suas cidades, em Guibeá, para saírem a guerrear contra os filhos de Israel.

15

Nesse dia, vindos das suas cidades, os filhos de Benjamim recensearam-se em cerca de vinte e seis mil, peritos em manejar a espada, sem contar os habitantes de Guibeá, cujo recenseamento contava uns setecentos homens escolhidos.

16

Entre todo este povo havia setecentos homens de elite esquerdinos, todos hábeis em atirar pedras com a funda a um cabelo, sem falhar.

17

Os homens de Israel recensearam-se, sem contar os de Benjamim, em número de quatrocentos mil, hábeis em manejar a espada e todos bons combatentes.

18

Partiram, pois, e subiram a Betel para consultar a Deus; os filhos de Israel perguntaram: «Quem de nós subirá primeiro para lutar contra os filhos de Benjamim?» Então, o Senhor respondeu: «Judá será o primeiro.»

19

Partiram os filhos de Judá, na manhã seguinte, e acamparam junto de Guibeá.

20

Tendo saído para combater os de Benjamim, os homens de Israel organizaram-se em ordem de batalha contra eles junto de Guibeá.

21

Os filhos de Benjamim saíram de Guibeá e nesse dia destroçaram vinte e dois mil homens de Israel.

22

O povo dos homens de Israel refez-se, e de novo se organizaram para a batalha no mesmo lugar em que tinham estado no primeiro dia.

23

Os filhos de Israel subiram para chorar diante do Senhor até à tarde; então consultaram o Senhor dizendo: «Deverei voltar a travar combate, contra os filhos de Benjamim, meu irmão?» O Senhor respondeu-lhes: «Subi contra eles.»

24

No segundo dia, os filhos de Israel atacaram os filhos de Benjamim.

25

Neste segundo dia, Benjamim saiu de Guibeá contra eles, e destruiu ainda dezoito mil homens de entre os filhos de Israel, todos peritos no manejo da espada.

26

Todos os filhos de Israel e todo o povo subiram, então, e chegaram a Betel; ali choraram sentados no chão diante do Senhor, jejuaram nesse dia até à tarde; ofereceram holocaustos e sacrifícios de comunhão, na presença do Senhor.

27

Os filhos de Israel consultaram o Senhor. Ali se encontrava, naqueles dias, a Arca da aliança do Senhor.

28

Fineias, filho de Eleázar, filho de Aarão, colocou-se diante dela, nessa altura, dizendo: «Deverei eu, ainda, sair para combater contra os filhos de Benjamim, meu irmão, ou, pelo contrário, devo renunciar a isso?» E o S disse: «Subi, que Eu amanhã pô-los-ei nas tuas mãos!»

29

Israel pôs homens de emboscada a toda a volta de Guibeá.

30

No terceiro dia, os filhos de Israel subiram contra os filhos de Benjamim e organizaram-se contra Guibeá, como das outras vezes.

31

Então, os filhos de Benjamim saíram ao encontro do povo, distanciando-se muito da cidade e começaram a fazer vítimas entre o povo como antes; mataram cerca de trinta homens de Israel, em campo raso e pelas estradas que sobem uma para Betel e outra para Guibeá.

32

Disseram os filhos de Benjamim: «Ei-los feridos diante de nós, como ao princípio.» Porém, os filhos de Israel tinham dito: «Vamos fugir; vamos atraí-los para longe da cidade, nas estradas.»

33

Então, todos os homens de Israel se levantaram das suas posições e se organizaram em ordem de combate junto de Baal-Tamar, enquanto a emboscada de Israel irrompia da sua posição, na planície de Guibeá.

34

Assim, dez mil homens, seleccionados de entre todo o povo de Israel, chegaram diante de Guibeá; a batalha foi dura; não sabiam os filhos de Benjamim que a desgraça lhes estava mesmo iminente.

35

O Senhor feriu Benjamim na presença de Israel e, nesse dia, os filhos de Israel deram morte a vinte e cinco mil e cem homens, todos eles valentes guerreiros e hábeis no manejo da espada.

36

Então, os filhos de Benjamim reconheceram que haviam sido derrotados. Os homens de Israel tinham cedido terreno a Benjamim para fugir, porque confiavam na emboscada que tinham preparado junto de Guibeá.

37

A emboscada lançou-se contra Guibeá com toda a violência, expandiu-se e bateu toda a cidade a golpe de espada.

38

Havia uma combinação dos homens de Israel com os da emboscada, de que estes fizessem subir da cidade uma fumarada como sinal.

39

Os homens de Israel tiveram uma reviravolta na batalha; logo Benjamim começou a fazer mortandade entre os homens de Israel, matando cerca de trinta homens, e dizendo: «Eles estão completamente batidos na nossa frente, como no início da batalha.»

40

O sinal, porém, uma nuvem de fumo, começava já a elevar-se da cidade; então, mal Benjamim retrocedeu, eis que toda a cidade se elevava em chamas para os céus.

41

Os homens de Israel tinham feito, pois, uma reviravolta, e por isso os homens de Benjamim ficaram aterrorizados, pois viam que a desgraça tinha, de facto, caído sobre eles.

42

Voltaram costas diante dos homens de Israel, fugindo em direcção ao deserto; a batalha, porém, apertava-os, e então os que vinham da cidade matavam-se ali mesmo uns aos outros.

43

Cercaram Benjamim, perseguiram-no sem réplica, espezinhando-o até à frente de Guibeá, do lado do sol-nascente.

44

Morreram dezoito mil homens de Benjamim, todos eles homens valentes.

45

Voltaram as costas e fugiram para o deserto em direcção ao rochedo de Rimon; foram massacrados pelas estradas cinco mil homens; foram perseguidos outros até Guideom e mortos dois mil homens.

46

O total de mortos de Benjamim naquele dia foi de vinte e cinco mil, todos peritos no manejo da espada e valentes guerreiros.

47

Seiscentos homens voltaram as costas e refugiaram-se no deserto, para os lados do rochedo de Rimon, onde ficaram cerca de quatro meses.

48

Os homens de Israel, porém, voltaram contra os filhos de Benjamim e passaram a fio de espada, de cidade em cidade, desde os homens aos animais, quantos encontravam; e entregaram às chamas todas as cidades que encontraram.

Portuguese Bible (CAP)
Public Domain: Capuchinhos