Marcos 6

1

Tendo Jesus partido dali, foi para a sua terra, e os seus discípulos o acompanharam.

2

Chegando o sábado, passou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se maravilhavam, dizendo: Donde vêm a este estas coisas? Que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas mãos?

3

Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele.

4

Jesus, porém, lhes disse: Não há profeta sem honra, senão na sua terra, entre os seus parentes e na sua casa.

5

Não pôde fazer ali nenhum milagre, senão curar uns poucos enfermos, impondo-lhes as mãos.

6

Admirou-se da incredulidade deles. Contudo, percorria as aldeias circunvizinhas, a ensinar.

7

Chamou Jesus os doze e passou a enviá-los de dois a dois, dando-lhes autoridade sobre os espíritos imundos.

8

Ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, exceto um bordão; nem pão, nem alforje, nem dinheiro;

9

que fossem calçados de sandálias e não usassem duas túnicas.

10

E recomendou-lhes: Quando entrardes nalguma casa, permanecei aí até vos retirardes do lugar.

11

Se nalgum lugar não vos receberem nem vos ouvirem, ao sairdes dali, sacudi o pó dos pés, em testemunho contra eles.

12

Então, saindo eles, pregavam ao povo que se arrependesse;

13

expeliam muitos demônios e curavam numerosos enfermos, ungindo-os com óleo.

14

Chegou isto aos ouvidos do rei Herodes, porque o nome de Jesus já se tornara notório; e alguns diziam: João Batista ressuscitou dentre os mortos, e, por isso, nele operam forças miraculosas.

15

Outros diziam: É Elias; ainda outros: É profeta como um dos profetas.

16

Herodes, porém, ouvindo isto, disse: É João, a quem eu mandei decapitar, que ressurgiu.

17

Porque o mesmo Herodes, por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe (porquanto Herodes se casara com ela), mandara prender a João e atá-lo no cárcere.

18

Pois João lhe dizia: Não te é lícito possuir a mulher de teu irmão.

19

E Herodias o odiava, querendo matá-lo, e não podia.

20

Porque Herodes temia a João, sabendo que era homem justo e santo, e o tinha em segurança. E, quando o ouvia, ficava perplexo, escutando-o de boa mente.

21

E, chegando um dia favorável, em que Herodes no seu aniversário natalício dera um banquete aos seus dignitários, aos oficiais militares e aos principais da Galiléia,

22

entrou a filha de Herodias e, dançando, agradou a Herodes e aos seus convivas. Então, disse o rei à jovem: Pede-me o que quiseres, e eu to darei.

23

E jurou-lhe: Se pedires mesmo que seja a metade do meu reino, eu ta darei.

24

Saindo ela, perguntou a sua mãe: Que pedirei? Esta respondeu: A cabeça de João Batista.

25

No mesmo instante, voltando apressadamente para junto do rei, disse: Quero que, sem demora, me dês num prato a cabeça de João Batista.

26

Entristeceu-se profundamente o rei; mas, por causa do juramento e dos que estavam com ele à mesa, não lha quis negar.

27

E, enviando logo o executor, mandou que lhe trouxessem a cabeça de João. Ele foi, e o decapitou no cárcere,

28

e, trazendo a cabeça num prato, a entregou à jovem, e esta, por sua vez, a sua mãe.

29

Os discípulos de João, logo que souberam disto, vieram, levaram-lhe o corpo e o depositaram no túmulo.

30

Voltaram os apóstolos à presença de Jesus e lhe relataram tudo quanto haviam feito e ensinado.

31

E ele lhes disse: Vinde repousar um pouco, à parte, num lugar deserto; porque eles não tinham tempo nem para comer, visto serem numerosos os que iam e vinham.

32

Então, foram sós no barco para um lugar solitário.

33

Muitos, porém, os viram partir e, reconhecendo-os, correram para lá, a pé, de todas as cidades, e chegaram antes deles.

34

Ao desembarcar, viu Jesus uma grande multidão e compadeceu-se deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor. E passou a ensinar-lhes muitas coisas.

35

Em declinando a tarde, vieram os discípulos a Jesus e lhe disseram: É deserto este lugar, e já avançada a hora;

36

despede-os para que, passando pelos campos ao redor e pelas aldeias, comprem para si o que comer.

37

Porém ele lhes respondeu: Dai-lhes vós mesmos de comer. Disseram-lhe: Iremos comprar duzentos denários de pão para lhes dar de comer?

38

E ele lhes disse: Quantos pães tendes? Ide ver! E, sabendo-o eles, responderam: Cinco pães e dois peixes.

39

Então, Jesus lhes ordenou que todos se assentassem, em grupos, sobre a relva verde.

40

E o fizeram, repartindo-se em grupos de cem em cem e de cinqüenta em cinqüenta.

41

Tomando ele os cinco pães e os dois peixes, erguendo os olhos ao céu, os abençoou; e, partindo os pães, deu-os aos discípulos para que os distribuíssem; e por todos repartiu também os dois peixes.

42

Todos comeram e se fartaram;

43

e ainda recolheram doze cestos cheios de pedaços de pão e de peixe.

44

Os que comeram dos pães eram cinco mil homens.

45

Logo a seguir, compeliu Jesus os seus discípulos a embarcar e passar adiante para o outro lado, a Betsaida, enquanto ele despedia a multidão.

46

E, tendo-os despedido, subiu ao monte para orar.

47

Ao cair da tarde, estava o barco no meio do mar, e ele, sozinho em terra.

48

E, vendo-os em dificuldade a remar, porque o vento lhes era contrário, por volta da quarta vigília da noite, veio ter com eles, andando por sobre o mar; e queria tomar-lhes a dianteira.

49

Eles, porém, vendo-o andar sobre o mar, pensaram tratar-se de um fantasma e gritaram.

50

Pois todos ficaram aterrados à vista dele. Mas logo lhes falou e disse: Tende bom ânimo! Sou eu. Não temais!

51

E subiu para o barco para estar com eles, e o vento cessou. Ficaram entre si atônitos,

52

porque não haviam compreendido o milagre dos pães; antes, o seu coração estava endurecido.

53

Estando já no outro lado, chegaram a terra, em Genesaré, onde aportaram.

54

Saindo eles do barco, logo o povo reconheceu Jesus;

55

e, percorrendo toda aquela região, traziam em leitos os enfermos, para onde ouviam que ele estava.

56

Onde quer que ele entrasse nas aldeias, cidades ou campos, punham os enfermos nas praças, rogando-lhe que os deixasse tocar ao menos na orla da sua veste; e quantos a tocavam saíam curados.