Provérbios 12

1

Quem ama a disciplina ama o conhecimento, mas o que aborrece a repreensão é estúpido.

2

O homem de bem alcança o favor do SENHOR, mas ao homem de perversos desígnios, ele o condena.

3

O homem não se estabelece pela perversidade, mas a raiz dos justos não será removida.

4

A mulher virtuosa é a coroa do seu marido, mas a que procede vergonhosamente é como podridão nos seus ossos.

5

Os pensamentos do justo são retos, mas os conselhos do perverso, engano.

6

As palavras dos perversos são emboscadas para derramar sangue, mas a boca dos retos livra homens.

7

Os perversos serão derribados e já não são, mas a casa dos justos permanecerá.

8

Segundo o seu entendimento, será louvado o homem, mas o perverso de coração será desprezado.

9

Melhor é o que se estima em pouco e faz o seu trabalho do que o vanglorioso que tem falta de pão.

10

O justo atenta para a vida dos seus animais, mas o coração dos perversos é cruel.

11

O que lavra a sua terra será farto de pão, mas o que corre atrás de coisas vãs é falto de senso.

12

O perverso quer viver do que caçam os maus, mas a raiz dos justos produz o seu fruto.

13

Pela transgressão dos lábios o mau se enlaça, mas o justo sairá da angústia.

14

Cada um se farta de bem pelo fruto da sua boca, e o que as mãos do homem fizerem ser-lhe-á retribuído.

15

O caminho do insensato aos seus próprios olhos parece reto, mas o sábio dá ouvidos aos conselhos.

16

A ira do insensato num instante se conhece, mas o prudente oculta a afronta.

17

O que diz a verdade manifesta a justiça, mas a testemunha falsa, a fraude.

18

Alguém há cuja tagarelice é como pontas de espada, mas a língua dos sábios é medicina.

19

O lábio veraz permanece para sempre, mas a língua mentirosa, apenas um momento.

20

Há fraude no coração dos que maquinam mal, mas alegria têm os que aconselham a paz.

21

Nenhum agravo sobrevirá ao justo, mas os perversos, o mal os apanhará em cheio.

22

Os lábios mentirosos são abomináveis ao SENHOR, mas os que agem fielmente são o seu prazer.

23

O homem prudente oculta o conhecimento, mas o coração dos insensatos proclama a estultícia.

24

A mão diligente dominará, mas a remissa será sujeita a trabalhos forçados.

25

A ansiedade no coração do homem o abate, mas a boa palavra o alegra.

26

O justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar.

27

O preguiçoso não assará a sua caça, mas o bem precioso do homem é ser ele diligente.

28

Na vereda da justiça, está a vida, e no caminho da sua carreira não há morte.