Bíblia em um ano
Novembro 18


Jeremias 49:1-39
1. Assim fala o Senhor contra os amonitas: «Porventura, Israel não tem filhos? Porventura, não tem herdeiro? Por que razão Milcom tomou conta de Gad, e instalou o seu povo nas suas cidades?
2. Por isso, dias virão – oráculo do Senhor em que farei ouvir gritos de guerra em Rabat, capital de Amon. Será reduzida a um montão de ruínas, as suas cidades serão entregues às chamas. Então, Israel herdará daqueles que foram seus herdeiros – diz o Senhor.
3. Lamenta-te Hesbon, pela destruição e ruína; gritai, filhas de Rabat, vesti-vos de luto e chorai; vagueai sobre as ruínas, porque Milcom é levado ao exílio juntamente com os seus sacerdotes e dignitários.
4. Porque te glorias da fertilidade dos teus vales, cidade rebelde? Confiada nos teus tesouros, dizias: ‘Quem virá contra mim?’
5. Farei que venha contra ti o terror por todos os lados oráculo do Senhor Deus do universo. Cada um fugirá para seu lado e ninguém recolherá os fugitivos.
6. Mas, depois disto, farei voltar os cativos dos filhos de Amon» – oráculo do Senhor.
7. Contra Edom, assim fala o Senhor do universo: «Já não há sabedoria em Teman? Será que se perdeu o conselho dos mestres? Desvaneceu-se a sua sabedoria?
8. Fugi, voltai as costas, ocultai-vos, habitantes de Dedan, porque vou trazer a ruína sobre Esaú, o tempo do seu castigo.
9. Se te invadirem vindimadores, não te deixarão um cacho. Se forem ladrões nocturnos, pilharão até se saciarem.
10. Mas, sou Eu quem põe a descoberto Esaú, revelo os seus esconderijos e não poderá ocultar-se. A sua raça está destruída; os seus irmãos e vizinhos já não existem.
11. Abandona os teus órfãos, que Eu cuidarei deles; as tuas viúvas podem confiar em mim!»
12. Porque isto diz o Senhor, «Aqueles que não mereciam beber deste cálice, tiveram de beber dele; e tu, ficarás impune? Não! Também beberás.
13. Juro-o pelo meu nome oráculo do Senhor. Bosra será objecto de espanto, vergonha, ruína e maldição. E todas as suas cidades serão ruínas para sempre.
14. Recebi uma notícia do Senhor, um arauto foi enviado às nações: ‘Juntai-vos e marchai contra ela! Preparai-vos para a guerra!’
15. Vê: Eu te fiz pequena entre as nações, desprezada pelos homens.
16. Enganou-te o terror que semeavas e a arrogância do teu coração; habitas nas rochas escarpadas, agarrada aos cimos das colinas. Ainda que pusesses o teu ninho tão alto como o da águia, de lá te precipitaria – oráculo do Senhor.
17. Edom será objecto de espanto, e os que passem junto dela, assobiando, escarnecerão da sua ruína.
18. É como a catástrofe de Sodoma e Gomorra, e das cidades vizinhas – diz o Senhor. Ninguém ali habitará, nenhum homem ali morará.
19. Como um leão, vem dos matagais do Jordão às pastagens perenes; assim, num instante, hei-de expulsá-los de lá e ali estabelecerei quem Eu escolher. Quem se pode igualar a mim? Quem me poderá pedir contas? Quem é o pastor que me poderá fazer frente?
20. Portanto, escutai o desígnio do Senhor sobre Edom, e os planos que tem em mente contra os habitantes de Teman. Até as ovelhas mais pequenas serão arrebatadas e as pastagens desaparecerão diante delas.
21. Ao estrondo da sua ruína estremece a terra e os seus clamores ouvir-se-ão no Mar dos Juncos.
22. Eis que subirá como a águia, voará e estenderá as suas asas sobre Bosra. Naquele dia, o coração dos guerreiros de Edom será como o de uma mulher com dores de parto.»
23. Contra Damasco: «Hamat e Arpad estão apavoradas, porque tiveram uma notícia funesta. Ansiosas, agitam-se como o mar; não podem acalmar-se.
24. Damasco perdeu a coragem, lançou-se a fugir. O terror paralisa-a, a angústia e as dores apoderam-se dela, como a mulher que dá à luz.
25. Como é que ficou deserta a cidade formosa, a colina das delícias?
26. Por isso, os seus jovens cairão nas ruas, e os seus guerreiros perecerão naquele dia oráculo do Senhor do universo.
27. Vou lançar o fogo às muralhas de Damasco, que devorará os palácios de Ben-Hadad.»
28. Contra Quedar e os reinos de Haçor, que destruiu Nabucodonosor, rei da Babilónia, assim fala o Senhor, «Levantai-vos! Marchai contra Quedar! Aniquilai as tribos do Oriente!
29. Apoderem-se das suas tendas e rebanhos! Apropriem-se dos seus tapetes, das suas bagagens, sejam-lhe retirados os seus camelos! Gritai contra eles: ‘Terror por todo o lado!’
30. Fugi a toda a pressa, escondei-vos nos esconderijos, habitantes de Haçor, – oráculo do Senhor; pois, Nabucodonosor, rei da Babilónia, forjou um plano contra vós e tem projectos para vos arruinar.
31. Levantai-vos! Marchai contra um povo pacífico que vive em sossego oráculo do Senhor. Não têm portas, nem ferrolhos e vivem isoladamente.
32. Os seus camelos serão uma presa e os seus muitos rebanhos estão a saque! Espalharei a todos os ventos estes homens de cabelos rapados, e de toda a parte lançarei sobre eles a desgraça oráculo do Senhor.
33. Haçor tornar-se-á guarida de chacais, uma solidão para sempre, onde ninguém mais habitará e nenhum ser humano ali terá morada.»
34. Palavra do Senhor, dirigida ao profeta Jeremias contra Elam, no princípio do reinado de Sedecias, rei de Judá:
35. Isto diz o Senhor do universo: «Vou destruir o arco de Elam e o melhor dos seus soldados.
36. Mandarei vir sobre Elam os quatro ventos, dos quatro cantos do céu. Dispersá-los-ei por todos estes ventos, e não haverá nação onde não cheguem os fugitivos de Elam.
37. Farei que Elam trema diante dos seus inimigos e daqueles que procuram tirar-lhes a vida. Farei vir sobre eles a desgraça, e o furor da minha cólera oráculo do Senhor; enviarei contra eles a espada, até que sejam exterminados.
38. Estabelecerei o meu trono em Elam, e dela exterminarei o rei e os chefes – oráculo do Senhor.
39. Porém, nos últimos dias, mudarei a sorte de Elam» – oráculo do Senhor.

Jeremias 50:1-46
1. Palavra que o Senhor dirigiu ao profeta Jeremias acerca da Babilónia, a terra dos caldeus:
2. «Anunciai e publicai entre as nações! Levantai a bandeira, anunciai! Nada oculteis, exclamai: A Babilónia foi tomada! Bel cobriu-se de confusão, o deus Marduc foi destroçado; os seus ídolos foram confundidos, as suas imagens destruídas.
3. Pois um povo vindo do norte avança contra ela; ele fará do seu território um deserto. E não haverá quem nela habite. Homens e animais fogem em debandada.
4. Naqueles dias e naquele tempo – oráculo do Senhor voltarão juntos, os filhos de Israel e os filhos de Judá; irão caminhando a chorar, à procura do Senhor, seu Deus.
5. Perguntarão por Sião, para onde estão voltados os seus rostos. Vamos e unamo-nos ao Senhor, em aliança eterna que não será esquecida.
6. O meu povo tornou-se um rebanho de ovelhas perdidas que os seus pastores deixaram desgarradas pelos montes. Caminhavam por montanhas e colinas, esquecidas do seu aprisco.
7. Todos os que as encontravam, devoravam-nas; os seus inimigos diziam: ‘Não somos culpados, porque eles pecaram contra o Senhor, que é a herança legítima, a esperança de seus antepassados’.
8. Fugi da Babilónia e da terra dos caldeus. Saí como os cabritos à frente do rebanho.
9. Pois Eu suscitarei e enviarei contra a Babilónia uma coligação de grandes nações. Virão do norte em linha de batalha, avançando contra ela, de modo a capturá-la. As suas setas, como as de um hábil guerreiro, não erram o alvo.
10. Os caldeus serão objecto de pilhagem; todos os seus saqueadores ficarão saciados – oráculo do Senhor.
11. Alegrai-vos, pois, e exultai, saqueadores da minha herança! Saltai como a novilha sobre a erva e relinchai como garanhões!
12. A vossa mãe ficará coberta de vergonha. Aquela que vos gerou ficará humilhada. Ei-la como a última das nações, um deserto, desolado e árido.
13. Pela ira do Senhor, ficará desabitada, reduzida a um montão de ruínas. Todos os que passarem pela Babilónia pasmarão e ficarão admirados com todas as suas desgraças.
14. Archeiros todos, preparai-vos para atacar a Babilónia por todos os lados. Combatei-a, não poupeis as flechas, porque pecou contra o Senhor.
15. Gritai a toda a volta contra ela! Ela já levanta as mãos! Caem as suas torres, as suas muralhas são derrubadas! Pois esta é a vingança do Senhor ! Vingai-vos dela, fazei-lhe o mesmo que ela fez.
16. Exterminai da Babilónia o que semeia, e o que maneja a foice no tempo da colheita. Diante da espada devastadora, volte cada um para o seu povo, fuja cada um para a sua terra.
17. Israel era como uma ovelha desgarrada, perseguida por leões. Primeiro, devorou-a o rei da Assíria. Depois, Nabucodonosor, rei da Babilónia, quebrou-lhe os ossos.
18. Por isso, assim fala o Senhor do universo, Deus de Israel: Vou castigar o rei da Babilónia e o seu país, assim como castiguei o rei da Assíria.
19. Farei voltar Israel para os seus campos, a fim de que paste no Carmelo e em Basan; saciar-se-á nos montes de Efraim e de Guilead.
20. Naqueles dias e naquele tempo – oráculo do Senhor buscar-se-á a culpabilidade de Israel e não será encontrada; também não acharão o pecado de Judá, porque perdoarei aos que tiver poupado.»
21. «Sobe contra o país de Merataim, contra ele e contra os habitantes de Pecod. Avança e extermina-os até ao último oráculo do Senhor – e executa tudo quanto te ordenei.
22. Há gritos de guerra no país, é imensa a ruína!
23. Como se quebrou e desfez em pedaços o martelo de toda a terra? Como a Babilónia se transformou em espanto entre as nações!
24. Lancei-te uma armadilha, ó Babilónia, e foste apanhada, sem te dares conta. Foste surpreendida e aprisionada, porque provocaste o Senhor.
25. O Senhor abriu o seu arsenal e dele tirou as armas da sua indignação, pois o Senhor Deus do universo tem uma missão a cumprir no país dos caldeus.
26. Vinde contra ela desde os confins e abri os seus celeiros. Amontoai os seus despojos como feixes e exterminai tudo sem deixar resto.
27. Matai todos os seus touros; sejam conduzidos ao matadouro! Ai deles, porque chegou o seu dia, o tempo do seu castigo!
28. Escutai os fugitivos e os evadidos da terra da Babilónia, para anunciar em Sião a vingança do Senhor, nosso Deus, a vingança do seu templo.
29. Convocai contra a Babilónia os arqueiros, todos os que manejam o arco; sitiai-a, para que ninguém escape. Dai-lhes a paga das suas obras; fazei com ela o mesmo que ela fez, porque se revoltou contra o Senhor, contra o Santo de Israel.
30. Por isso, os seus jovens cairão nas ruas e todos os seus guerreiros perecerão nesse dia oráculo do Senhor.
31. Aqui estou contra ti, ó insolente, chegou o teu dia, o tempo do teu castigo – oráculo do Senhor Deus do universo.
32. Tropeçará a insolente e cairá sem que ninguém a levante. Lançarei fogo às suas cidades, que devorará tudo em volta.»
33. Isto diz o Senhor do universo: «Os filhos de Israel e os filhos de Judá sofrem juntos a opressão. Aqueles que os levaram ao cativeiro detêm-nos, recusando libertá-los.
34. Porém, o seu redentor é poderoso: o seu nome é Senhor do universo. Defenderá com ardor a sua causa, para dar repouso à terra e fazer tremer os habitantes da Babilónia.
35. Espada contra os caldeus, contra a população da Babilónia, contra os seus chefes e os seus sábios! Oráculo do Senhor.
36. Espada contra os seus adivinhos, para que enlouqueçam! Espada contra os seus guerreiros, para que se amedrontem!
37. Espada contra os seus cavalos e os seus carros e contra todo o povo que nela se encontra, para que se tornem frágeis como mulheres! Espada contra os seus tesouros, para que sejam saqueados!
38. Espada contra os seus canais, para que sequem, porque é um país de ídolos, que se gloria dos seus espantalhos!
39. Por isso, habitarão ali chacais, feras e avestruzes. Jamais voltará a ser habitada e, de geração em geração, ficará deserta.
40. É como quando Deus destruiu Sodoma, Gomorra e as cidades vizinhas oráculo do Senhor. Da mesma maneira ninguém habitará ali, e nenhum ser humano a povoará.
41. Eis que vem um povo do Norte, uma grande nação e numerosos reis se levantam dos confins da terra,
42. armados de arcos e de setas; são cruéis e sem piedade. Os seus gritos ressoam como o mar. Montados em cavalos, alinhados como um só homem, avançam contra ti, ó Babilónia.
43. Ao saber disto, o rei da Babilónia deixou cair os braços, possuído de angústia e dor, como uma mulher com dores de parto.
44. Como um leão que sobe das estepes do Jordão em direcção às pastagens verdes, assim, de repente, Eu os expulsarei e estabelecerei ali quem Eu escolher. Pois, quem há semelhante a mim? Quem me poderá pedir contas? Qual o pastor que poderá enfrentar-me?
45. Por isso, ouvi a decisão do Senhor que Ele decretou contra a Babilónia, e os projectos que Ele traçou contra a terra dos caldeus. Juro que as ovelhas mais fracas serão arrebatadas do rebanho; e até as pastagens ficarão espantadas com isso.
46. Com o estrondo da tomada da Babilónia tremerá a terra e os seus gritos serão ouvidos pelas nações.»

Salmos 119:121-128
121. Tenho praticado o que é recto e justo; não me abandones ao poder dos meus inimigos.
122. Defende o bem do teu servo, para que não me oprimam os arrogantes.
123. Os meus olhos consomem-se à espera da tua ajuda e do prometido pela tua justiça.
124. Trata o teu servo segundo o teu amor, e ensina-lhe as tuas leis.
125. Sou teu servo: dá-me entendimento para eu conhecer os teus preceitos.
126. É tempo de agires, Senhor; eles desprezaram a tua lei.
127. Por isso amo os teus mandamentos, muito mais que o ouro fino.
128. Por isso sigo os teus preceitos e tenho horror aos caminhos da mentira. Phe*

Provérbios 28:6-6
6. Mais vale um pobre que caminha na integridade, do que um rico de conduta perversa.

Tito 1:1-16
1. Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, em ordem à fé dos eleitos de Deus e ao conhecimento da verdade, que conduz à piedade,
2. na esperança da vida eterna, prometida desde os tempos antigos pelo Deus que não mente
3. e que, no devido tempo, manifestou a sua palavra, pela pregação que me foi confiada por mandato de Deus, nosso Salvador:
4. a Tito, meu verdadeiro filho, pela fé comum, a graça e a paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Salvador.
5. Deixei-te em Creta, para acabares de organizar o que ainda falta e para colocares presbíteros em cada cidade, de acordo com as minhas instruções.
6. Cada um deles deve ser irrepreensível, marido de uma só mulher, com filhos crentes, e não acusados de vida leviana ou de insubordinação.
7. Porque é preciso que o bispo, como administrador de Deus, seja irrepreensível, não arrogante, nem colérico, nem dado ao vinho, à violência ou ao lucro desonesto;
8. mas, antes, hospitaleiro, amigo do bem, prudente, justo, piedoso, continente,
9. firmemente enraizado na doutrina da palavra digna de fé, de modo que seja capaz de exortar com sãos ensinamentos e de refutar os contraditores.
10. Há, de facto, muitos insubordinados, palradores e sedutores, sobretudo entre os da circuncisão,
11. aos quais é preciso tapar a boca, pois transtornam famílias inteiras, ensinando o que não devem, tendo em vista o lucro desonesto.
12. Aliás, como disse um deles, que era profeta, «os cretenses são sempre mentirosos, bestas más e ventres preguiçosos.»
13. E este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que tenham uma fé sã,
14. não dando ouvidos a fábulas judaicas e a preceitos de homens que se afastaram da verdade.
15. Tudo é puro para os puros, mas, para os corruptos e os incrédulos, nada é puro, porque a sua mente e a sua consciência estão corrompidas.
16. Proclamam conhecer a Deus, mas negam-no com as obras, revelando-se abomináveis, rebeldes e incapazes de qualquer obra boa.